sexta-feira, 17 de novembro de 2017

CAUSAS E PROCEDÊNCIAS PARA AS INVASÕES DA PENÍNSULA IBÉRICA


Img. "A Coroação de Napoleão" Expo Torres Vedras 200 Anos 
«O século XIX é marcado por uma rotura com o Antigo Regime e uma mudança profunda no paradigma político-social, fruto da revolução Americana e Francesa [em] que se destaca Napoleão Bonaparte o grande protagonista da propagação dos novos ideais através do expansionismo territorial que marcará esse século. / Perante a ameaça às velhas coroas europeias, estas nações, agrupadas em coligações declaram guerra à França. É neste contexto que surgem as Guerras Napoleónicas que se debatem com a oposição da Grã-Bretanha em franco desenvolvimento económico e industrial. / Mesmo após a derrota naval de Trafalgar, Napoleão continua a ambicionar apoderar-se da Europa e isolar economicamente a potente Grã-Bretanha. / Para isso, decreta, em 1806, o Bloqueio Continental. Nesta conjuntura, Portugal tornou-se um espaço estratégico militar altamente cobiçado, quer pelos ingleses, quer pelos franceses, devido à sua localização ao ocidente da Velha Europa. / O Príncipe Regente D. João enfrenta uma situação diplomática muito difícil. Foi necessário que a Espanha se aliasse à França Imperial, através do tratado de Fontainebleau para permitir a passagem das tropas napoleónicas pelo território espanhol [...]» (Leg. Mus. in Expo Torres Vedras, 200 Anos).


Img. "Bloqueio Continental"  GOOGLE.pt et al 

 

Descrição do Tratado de Fontainebleau:

«Por este tratado de 27 de Outubro de 1807, o ministro espanhol Manuel Godoy e o representante do Imperador Napoleão Bonaparte assinam o tratado secreto. Nele se estabelece a permissão da passagem das tropas francesas por Espanha mas também a partilha de Portugal.


174 AA Cumprir a Terra My FICH 002 LINHAS DE TORRES

LINHAS DE TORRES NO RESCALDO DA REVOLUÇÃO LIBERAL (I)



Nota prévia: A historiografia romântica e liberal, bem como a materialista / estruturalista, baseadas no culto dos heróis imperiais elevam ao pódio a figura de Napoleão. Esse romantismo velado pelo decurso do tempo numa imagem etérea consignada também pelos biógrafos e retratistas ao serviço de uma ideologia ou de uma conceção patriarcal e burguesa que se revê nos negócios e no ter mais do que no ser. Repare-se que até o nome termina em leão (Napo)leão. Este patronímico ajuda a criar um falso conceito, ou pelo menos questionável, sobre a figura de Bonaparte que só em parte é boa - Bona(parte).

É preciso ser ideologicamente irresponsável e insensível, junto do povo, sobretudo depois das lições de Trafalgar e das duas primeiras invasões à Península Ibérica, com dezenas de milhares de mortos, feridos e estropiados, insistindo sempre, mandando a pé e/ou a cavalo para a morte quase certa os seus concidadãos.

Note-se que a deserção das fileiras é punida com a pena de morte e que fugindo, os soldados têm pela frente vidas miseráveis, de sacrifício ou mesmo de morte. Ainda assim, muitos militares tentam e outros conseguem a fuga. Releve-se que os sacrifícios dos soldados são imensos e que só numa única batalha, uma das últimas, já de regresso e fuga, morrem em Toulouse, abril de 1814 milhares de militares; muitos cavalos perecem e perde-se um sem número de equipamento.

Napoleão não é bom Imperador, nem bom herói, ele sacrifica os outros, sacrifica Portugal, Espanha, França, entre outros povos, até às dezenas de milhares de vidas inocentes.

E o que traz de novo? No campo da cultura, a instituição dos museus públicos; o realce da noção de cidadão e alguns direitos no campo social que não compensam um crescente liberalismo económico, anticlerical, anti senhorial de família alargada, passando cada um ao desenrasque-se, deixando os pobres ainda mais pobres e desprotegidos.

Num patamar de perdas entre países; Portugal, por exemplo, ainda não recuperou Olivença, perdida por causa das investidas napoleónicas, nem recuperou vidas e um imenso património móvel que lhe foi, na altura, saqueado. No entanto a historiografia de tipo imperialista, de culto do herói romântico, continua na mente das pessoas e até nas escolas.

Figuras paternalistas e patrimoniais devem dar lugar a uma sociedade fratrimonial e matrizmonial, porque o Homem, em sua dignidade deve estar primeiro do que o homem na diminuta dimensão de cidadão encartado de contribuinte.

&&&

As Linhas de Torres estão ligadas à terceira invasão francesa à Península Ibérica (Linhas de Torres), onde o general Massena, comandante do exército napoleónico, chega em Outubro de 1810. Ingleses e portugueses esperam por esta invasão e daí a decisão de construírem as linhas de defesa chamadas Linhas de Torres, a fim de bloquearem o acesso do inimigo à capital e permitirem a fuga do exército inglês em caso de extrema necessidade.

As Linhas de Torres são construídas em tempo recorde, mesmo a nível mundial, no espaço de alguns meses. As duas Linhas mais avançadas, considerando as invasões vindas do Norte ou de Leste são:

Primeira linha que passa por Torres Vedras (daí o nome) e se estende do Tejo (Alverca), Sobral de Monte Agraço, Torres Vedras e Foz do rio Sisandro (Atlântico).

Segunda linha começa um pouco mais a jusante, também no Tejo (Póvoa de Santa Iria), Bucelas, Montachique, Lousa, Mafra, Ericeira e Ribamar.

Outras linhas têm sido pontualmente referidas nas envolventes do Forte de São Julião da Barra, estendendo-se, possivelmente entre várias localidades, até ao Alto de Barcarena, Queluz, Pontinha, Lumiar, Ameixoeira, Sacavém e no lado sul do Tejo, na envolvência de Almada; contudo não há ainda um contorno bem delineado da dimensão desta última estrutura. Neste âmbito, crê-se que a atribuição do nome à Alameda das Linhas de Torres no Lumiar tenha por base a proximidade de uma destas linhas ou deve-se ao caminho de acesso de Lisboa para as Linhas de Torres (1ª e 2ª) às quais era preciso aceder com regularidade.

Com tudo isto, convém estabebelecer algumas questões prévias e breves considerações:

-Quem foi efetivamente Napoleão Bonaparte?

Natural da Córsega, nasce apenas um ano após esta Ilha se ter transferido da República de Génova para a França. Pertence à antiga nobreza italiana, ou melhor genovesa. Frequenta a Escola Militar em Paris onde estuda estratégia militar e artilharia. Poucos anos após, um homem de baixa estatura mas de grandes ambições e sobretudo muito obstinado sobe, imerecidamente, em nosso entender, a general apenas com 27 anos.

-Que ambiente mental, cultural e político encontra?

Tudo, ou quase tudo, a Revolução de 1789 despoleta. Aos 35 anos Napoleão é Imperador de todos os franceses. Há quem o considere monarca iluminado por tentar e, em parte, conseguir aplicar as ideias do movimento filosófico do iluminismo.

Este obstinado constata que os Ingleses são os dominadores dos mercados e territórios. Várias figuras portuguesas veem com bons olhos o liberalismo da altura. O magnífico compositor Marcos Portugal é um desses intelectuais pró-franceses, melhor dizendo, pró-liberal que atua, de muito bom grado, para os generais e tropas francesas. Depois com a expulsão dos franceses, é acusado de jacobino e obrigado a ir-se juntar à corte no Rio de Janeiro, pois em Portugal, sem o seu séquito, não tem público para a música erudita.

(cont. em poste II subsequente)  

Palavras-chave: Invasão Peninsular, Linhas de Torres, Napoleão Bonaparte, Revolução Francesa

Fontes:

---ANCIÃES, Alfredo Ramos – 22.GUERRA PENINSULAR E LINHAS DE TORRES: UMA PERSPETIVA BASEADA NAS IDEOLOGIAS ENTRE O MERCANTILISMO E O LIBERALISMO http://cumpriraterra.blogspot.pt/2014/11/guerra-peninsular-e-linhas-de-torres.html 

---ANCIÃES, Alfredo Ramos – “030. A TELEGRAFIA TRADICIONAL NÃO-ELÉTRICA E O LUSO CONTRIBUTO DE FRANCISCO ANTÓNIO CIERA. 



---ANCIÃES, Alfredo Ramos – “131. CAPICUA 222 & TELEGRAFIA ÓTICA, SEMAFÓRICA OU AÉREA - O QUE É?”. http://cumpriraterra.blogspot.pt/2017/03/131-capicua-222-telegrafia-otica.html 

---ALMEIDA, Tereza Caillaux de – Memória das Invasões Francesas - Edição: Ésquilo, ISBN: 9789898092700, 2010

---ASSOCIAÇÃO Napolenónica Portuguesa et al “Linhas de Torres” - http://linhasdetorres.wordpress.com/2008/03/28/associacao-napoleonica-portuguesa/, acedido em 19-10.2011

---ASSOCIAÇÃO Napoleónica Portuguesa; GRUPO de Recriação Histórica de Almeida – “Linhas de Torres” . http://linhasdetorres.wordpress.com/2008/04/15/associacao-napoleonica-portuguesa-e-grupo-de-recriacao-historica-de-almeida/, acedido em 19.10.2011

 

---BRITO, Carla -  Análise da Obra: "Os fuzilamentos do 3 de Maio", de Francisco Goya”  http://estoriasdahistoria12.blogspot.pt/2013/08/analise-da-obraos-fuzilamentos-do-3-de.html

 

---CIERA, Francisco António ; DIAS, Maria Helena – “Francisco António Ciera”  http://cvc.instituto-camoes.pt/ciencia/p48.html , acedido em 11.09.2011

 

---ISABEL, da Costa – “Fuzilamentos de 03 Maio 1808 em Madrid https://pt.slideshare.net/DACOSTAisabel/8-de-maio-goya

 

---GUIA da Cidade, et al - “Sé Catedral da Guarda e invasões francesas”. http://www.guiadacidade.pt/pt/poi-catedral-da-guarda-14600, acedido em 19.10.2011

---CLETO, Joel - “Mártires de Arrifana” - http://joelcleto.no.sapo.pt/textos/Comercio/MassacreemArrifana.htm , acedido em 19.10.2011

---CLÍMACO, Cristina. As Linhas de Torres Vedras. Invasão e Resistência. 1810-1811. Lisboa: Edições Colibri, Câmara Municipal de Torres Vedras, 2010

---“CLÍMACO, Cristina “A Armada de Portugal...” / Disponível em http://www.linhasdetorresvedras.com/ficheiros/pdf_artigos/l_armaee_du_portugal_ou_o_desconcerto_de_um_exaercito_cristina_claimaco.pdf, acedido em 14.09.2011

---CLÍMACO, Cristina --“L`armée du Portugal ou o desconcerto de um exército: Preparação e concretização de uma expedição a Portugal. 1810-2010 Linhas de Torres Vedras”. Comemoração bicentenário.  Torres Vedras: Nov. 2009 - Nov. 2010 / http://www.linhasdetorresvedras.com/ficheiros/pdf_artigos/l_armaee_du_portugal_ou_o_desconcerto_de_um_exaercito_cristina_claimaco.pdf, acedido em 03.10.2011

---FREIRE, Fernando et al - “Telégrafo Português de Francisco António CIERA na Atalaia - Vila Nova da Barquinha - Abrantes no ano de 1810”. http://atalaia-barquinha.blogspot.com/2010/02/o-telegrafo-de-ciera-ano-1810-abrantes.html, acedido em 14.10.2011

--- GERALDO, Coronel José Custódio Madaleno “A última campanha napoleónica contra Portugal. 1810-1811”. Disponível em http://www.revistamilitar.pt/modules/articles/article.php?id=578, adedido em 18.09.2011

---GOTTERI,  Nicole – La mission de Lagard policier de l´empereur pendant la guerre d`Espagne 1809-18102. Edition des depeches concernant la Peninsule Iberique. Paris: Publisud, 1991

---GURWOOD,  Colonel John - Recueil choisi des dépêches et ordres du jour de feld Maréchal duc Wellington. Bruxelles: Meline, Cans et Cie, 1843. Edição impressa disponível na BNP - Biblioteca nacional de Portugal.

---INFOPEDIA et al - “Mercantilismo”. http://www.infopedia.pt/$mercantilismo, acedido em 29.08.2011


---JONES, John T. Memoires sur les Lignes de Torres Vedras élevées pour couvrir Lisbonne en 1810. faisant suit aux Journaux des sièges entrepis par les allés em Espagne. Paris: Anselin, 1832

---LIMA, major-general António Luís Pedroso de Lima, et. al - “Bicentenário do Corpo Telegráfico 1810-2010”. s.l.: Blueprint, Ldª, 2010.

--- LIMA, major-general António Luís Pedroso de Lima, et. al - “Bicentenário do Corpo telegráfico 1810-2010 “ s.l.: Blueprint, Ldª, 2010. Disponível também em http://www.exercito.pt/historiatm/Documentos/Livros/Bicenten%C3%A1rio%20do%20Corpo%20Telegr%C3%A1fico%201820-2010.pdf, acedido em 14.10.2011)

---MARCHAND, Jean-Gabriel - “Fundo de Arquivo Pessoal do general Jean-Gabriel Marchand http://daf.archivesdefrance.culture.gouv.fr/sdx-222-daf-bora-ap/ap/fiche.xsp?id=DAFANCH00AP_275AP, acedido em 09.10.2011

--- KOCH, General Jean Baptiste Fréderic - Mémoires de Masséna redigées d`après les documents qu`il a laissée et ceux du dépôt de la guerre et du dépôt des fortifications. Paris: Paulin et Lechavalier, 1848-1850

---PELET-CLOZEAU, general Jean Jacques Germain. Mémoires sur ma campagne du Portugal 1810-1811. Paris: Librairie

--- PELET-CLOZEAU,  general Jean Jacques Germain;  SCHNEIDER, Christian -; Mémoires sur ma campagne du Portugal (1810-1811).. Paris: Editions Historiques Teissèdre, 2003

---VENTURA, António - Memórias de Massena - Campanha de 1810-1811 em Portugal“. Lisboa: Livros Horizonte, 2007

---MUSEU Militar et al - “Cronologia das invasões francesas, 1810 a 1813”. O portal da História. http://www.arqnet.pt/portal/portugal/invasoes/inv1810.html, acedido em 28-08-2011

--- NAPIER, William Francis Patrick - Histoire de la guerre de la péninsule et dans le midi de la France depuis l`année 1808 jusqu`à l `année 1814". Paris: Treutel et Wurtz, 1828-1844; também disponível em http://books.google.co.uk/books?id=VCZKepmKxwEC&printsec=frontcover&dq=bibliogroup:%22Histoire+de+la+guerre+dans+la+p%C3%A9ninsule+et+dans+le+midi+de+la+France,+depuis+l'ann%C3%A9e+1807+jusqu'%C3%A0+l'ann%C3%A9e+1814%22&hl=pt-PT&ei=BFR3TqKUGsOb1AXd2ryXCA&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&ved=0CCkQ6AEwAA#v=onepage&q&f=false, acedido em 19.09.2011

---PIRES, Daniel; C.M.Setúbal et al.-  “Bocage poeta da liberdade”. Extraído da exposição bibliográfica dos 230 e 190 anos do seu nascimento e morte. Disponível em http://purl.pt/1276/1/liberdade.html , acedido em 26.09.2011

---SILVA, Carlos Guardado da - “As Linhas de Torres Vedras” http://www.linhasdetorresvedras.com/ficheiros/pdf_artigos/as_linhas_de_torres_vedras_carlos_guardado_da_silva.pdf, acedido em 18.09.2010

---SORIANO, José Luz Simão - “História da guerra e do estabelecimento do governo parlamentar em Portugal, compreendendo a história diplomática, militar e política deste reino desde 1777 até 1834”. Lisboa: Lisboa: Imprensa Nacional, 1866-1990). Disponível na BNP - Biblioteca Nacional de Portugal e referências em http://www.archive.org/details/historiadaguerr09sorigoog, http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:Z019e0h6cMUJ:pt.wikipedia.org/wiki/Luz_Soriano+historia+da+guerra+e+do+estabelecimento+do+governo+parlamentar+em+Portugal+compreendendo+a+historia+diplomatica+militar+e+politica+deste+reino+desde+1777+ate+1834+Jos%C3%A9+da+Luz+Simao+soriano&cd=3&hl=pt-PT&ct=clnk&gl=pt, http://purl.pt/12103/1/ acedidos em 20.09.2011

---VARIA - “Gazeta de Lisboa”, edições 1-52 [para contexto anterior às invasões peninsulares e biografia de Massena, Savary e Napoleão]. Disponível em http://books.google.pt/books?id=1WFVAAAAYAAJ&pg=PT25&lpg=PT25&dq=Savary+exercito&source=bl&ots=11OC5mb0HE&sig=LKyt4x5CiYP2JDWa3Fwxy9gKoh0&hl=pt-PT&ei=4bqMTrLeM6TT0QXM7NHmBQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=1&sqi=2&ved=0CCQQ6AEwAA#v=onepage&q=Savary%20exercito&f=false, acedido em 06.10.2011

---VIEIRA, José Manuel d` Oliveira et al -“Telégrafo Português de Francisco António Ciera no ano de 1810”. http://coisasdeabrantes.blogspot.com/2011/03/abrantes-militar-telegrafo.html, adecido em 14.10.2011

WIKI.. et al - “Campo dos Mártires da Pátria” https://pt.wikipedia.org/wiki/Campo_dos_M%C3%A1rtires_da_P%C3%A1tria

---WIKI.. et al - “Liberalismo económico”. Disponível em http://pt.wikipedia.org/wiki/Liberalismo_econ%C3%B3mico, acedido em 29.08.2011

---WIKI.. et al - “Gomes Freire de Andrade”. http://pt.wikipedia.org/wiki/Gomes_Freire_de_Andrade), acedido em 15.09.2011

173 AA Cumprir a Terra