sexta-feira, 26 de maio de 2017

069 159 VISITA DE GRUPO E ESTUDO AO NEWSMUSEUM


001 José Mourinho /Nicolau Maquiavel
Palavras-chave: Jornalismo, NewsMuseum, Nova Museologia

Nesta visita participou a USMMA – Universidade Sénior de Massamá e Monte Abraão com seus alunos das disciplinas de Nova Museologia e Comunicação Interpessoal.;

002 Experiência de Apresentação em Televisão

Foi demonstrada a possibilidade de ser jornalista por um momento, lendo o teleponto e gravando o produto no YouTube (quem não teve oportunidade de o fazer poderá voltar para editar a experiência);

003 Liberdade de Imprensa no Mundo ou falta dela

Os participantes verificaram a liberdade dos “média” (e a falta dela) em várias regiões e países do mundo;

004 Cartazes de Intervenção política e partidária no pós 25 Abril 1974

Também foram apreciadas as peças tridimensionais: o traje e os equipamentos tecnológicos de edição, divulgação e difusão;

Os cartazes da política nacional e a célebre noite do 25 de Abril de 1974 na rádio;


005 Exemplos de cartazes no pós 25 de Abril 1974

As “bad news”, o jornalismo de guerra e as figuras da política internacional;

006 Emissão na Celebre noite do 25 de Abril 1974

Foi apresentada a “Torre de Babel”, com vários écrans de TV e línguas (que em nosso entender, um dia transmitirão automaticamente nos idiomas locais);


007 Comunicado do Movimento das Forças Armadas na célebre noite do 25 de Abril

Foram experimentados alguns jogos gravados do concurso e entretenimento com a Jornalista Manuela Moura Guedes;

008 Tintim

Despertaram lembranças nos presentes as aventuras do Tintim e do Superman, difundidas na forma do jornalismo clássico, também em revistas, televisões, cinema, edições monográficas e na filatelia;

009 Superman

Foram apreciadas várias figuras do desporto, incluindo o nosso José Mourinho comparado com a personagem de cultura maquiavélica, embora tal não pareça consensual entre todos os visitantes.

 

Fontes acedidas em 26.05.2017:

-ANCIÃES, Alfredo Ramos “076 153 NewsMuseum Sintra Portugal” http://cumpriraterra.blogspot.pt/2017/05/0-7-6-153-newsmuseum-sintra-portugal.html

WIKI.. et al - “Aventuras de Tintim” https://pt.wikipedia.org/wiki/As_Aventuras_de_Tintim

WIKI.. et al. – “Superman” https://pt.wikipedia.org/wiki/Superman

-Gentileza imagens NewsMuseum: 001 a 109 – Elisabeth Sá; 010 Arlinda Lopes, selecionadas e editadas por AA

terça-feira, 23 de maio de 2017

070 158 PORTUGAL INDEPENDENTE. UMA DAS NAÇÕES / ESTADO MAIS ANTIGAS DO MUNDO


Quadro de “O Milagre de Ourique” executado em 1793 por Domingos Sequeira (1)

 Este ano 2017, comemoração de duas capicuas

 889 anos, desde 1128, após vitória na Batalha de São Mamede entre tropas de D. Afonso Henriques e as de sua mãe D. Teresa, condessa portucalense, representante do Reino de Leão.

878 (capicua), desde 1139, após a Batalha de Ourique em que D. Afonso Henriques toma o título de rei. Terá havido milagre, visão ou simplesmente foi produto de uma boa organização e imensa vontade de vencer?



 “Visão” de Cristo na Cruz e Anjo Custódio de Portugal por Domingos Sequeira

 877, desde 1140, após o torneio de Arcos de Valdevez entre cavaleiros de D. Afonso VII de Castela e Leão e os de D. Afonso Henriques, onde venceram estes últimos como prenúncio para o Tratado de Zamora?

 874, desde 1143, após Tratado de Zamora com paz duradora tendo D. Afonso Henriques sido reconhecido como rei de Portugal por D. Afonso VII de Castela?
838 (capicua), desde 1179, quando o Papa Alexandre III confirmou independência através da Bula Manifestis Probatum?


(1) Domingos Sequeira (Lisboa, 1768 +Roma, 1837). Natural de Belém, Lisboa. Casapiano, onde aprende "Desenho e Figura". D. Maria I protege-o e possibilita-lhe formação em Roma com Antonio Cavallucci. Ainda em Roma pinta: "São João Batista"; "Alegoria da Casa Pia de Belém"; "O Milagre de Ourique", entre outros. Regressa a Portugal onde foi pintor da corte. Tem obra vária no Palácio da Ajuda. No Porto foi diretor da Aula de Desenho da Academia. Executa alegorias patrióticas e retratos. Vive a conjuntura política do Absolutismo, as Invasões Francesas e o período liberal. Muda algumas vezes de campo político. Pinta "Junot Protegendo a Cidade de Lisboa", 1808; "Apoteose de Wellington", 1811; 33 retratos de Deputados da Revolução Liberal, 1821; "D. Pedro IV", 1825; "Sopa dos Pobres de Arroios", 1813; "Adoração dos Magos", 1828. Exilado em Paris, expõe no Salão do Louvre. O seu estilo é predominantemente de cariz romântico com travos que lembram o clássico e barroco, jogando com o claro escuro.


Tags: História, Portugal, Independência

Fontes:

-Serrão, Joel - Cronologia da História de Portugal. Lisboa: Livros Horizonte, 4ª ed., 1980
Em linha, acedidos em 23.05.2017

-ANGIL, López Sangil; LUIS, José et al. - “Teresa de Leão” https://pt.wikipedia.org/wiki/Teresa_de_Le%C3%A3o
-INFOPÉDIA et al - “Batalha de Ourique”  https://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_de_Ourique
- ……………- “Batalha de São Mamede”
-MATTOSO, José et al. – “Tratado de Zamora”- https://pt.wikipedia.org/wiki/Tratado_de_Zamora
SOARES, Luis Ribeiro et al - “A Bula 'Manifestis Probatum' e a Legitimidade Portuguesa …” https://pt.wikipedia.org/wiki/Manifestis_Probatum
-VORTEXMAG, et al - “Independência de Portugal” http://www.vortexmag.net/portugal-faz-hoje-836-anos/ 
-WIKIMEDIA et al. - "Domingos Sequeira" https://pt.wikipedia.org/wiki/Domingos_Sequeira
-.............. -“Torneio de Arcos de Valdevez” https://pt.wikipedia.org/wiki/Torneio_de_Arcos_de_Valdevez


071 157 ROTAS MARÍTIMAS "UM MAR DE CONECTIVIDADES" E DE INTERACTIVIDADES


Palavras-chave: cabos, Portugal, telecomunicações

Caríssimos

Vou incluir em link uma gravação dos colaboradores de Nova e Sociomuseologia da USMMA - Universidade Sénior de Massamá e Monte Abraão na Fundação Portuguesa das Comunicações.

Trata-se de um vídeo amador. O próximo terá, certamente, mais qualidade. O tema:
- Aborda o contributo de Portugal na “8ª Maravilha do Mundo”, ou seja na realização da transmissão por cabos de telecomunicações. Releve-se que Portugal tem contribuído durante e após os Descobrimentos de forma discreta, mas eficaz e eficiente, na investigação e mapeamento da Terra e dos Oceanos;

- A rota dos cabos submarinos tem semelhança com a rota dos Descobrimentos;

- Portugal é o único país do Mundo que comunica diretamente com todos os continentes;

- 99% do tráfego intercontinental passa pelo fundo dos oceanos;

- Em termos de volume, a informação e comunicação que transita pelos cabos de telecomunicações, instalados no fundo dos mares e oceanos, necessitaria diariamente de centenas de milhares de toneladas de papel, no caso de, porventura, ser decidido imprimir os conteúdos.

Portugal foi, outrora, e é na atualidade uma plataforma central. Que a mesma se torne em ação, desenvolvimento e comunicação é o desiderato de qualquer lusófono.

Aqui deixamos o endereço do supracitado vídeo --»

sábado, 20 de maio de 2017

072 156 UMA VISITA ESPECIAL AO MUSEU DAS COMUNICAÇÕES


001 Algumas Colaboradoras do Grupo Nova Museologia da USMMA – Universidade Sénior de Massamá e Monte Abraão

A versão original do Museu das Comunicações surge em 1878 no seio dos Correios Telegraphos e Pharoes, um museu do erário público gerido pelo Diretor Guilhermino Augusto de Barros, criador do museu. (1).

(1)Guilherminno Augusto de Barros (nasce em Peso da Régua, 1828 – +Lisboa, 1900). Foi Deputado, Governador Civil, Conselheiro de Estado, Par do Reino, Diretor Geral dos Correios Telegraphos e Pharoes, entre outras funções

002 Museu das Comunicações

A designação do museu na altura da criação era “Museu Postal Português”(2). Sendo que o adjetivo postal deriva de posta (correio) que por sua vez vem do latim postum ou positum que significa posto, parada, ou paragem.

(2)Contudo, visto aos olhos d`hoje e em relação às exigências do ICOM – Conselho Internacional de Museus e da APOM – Associação Portuguesa de Museologia, o dito Museu Portal Português não poderia ser considerado um verdadeiro museu. Não estava aberto ao público, nem tinha exposições permanentes.

003 Estação de Muda da Malaposta

O nome pode parecer inadequado para um museu que, logo na altura da criação, contava com um pequeno acervo de peças, as quais eram predominantemente de telecomunicações e não de correio. Contudo, se analisarmos com um pouco de detalhe verificamos que o tal posto, parada ou paragem também vale para as telecomunicações.

004 Pernoita na Estação de Muda

O Museu Postal Português criado em 1878 foi o 3º do mundo. O 1º fora o alemão “Museu Postal Alemão” criado por Heinrich Stephan (1832, Polónia +1897, Berlin Alemanha) (2) sete anos antes do museu português. O 2º a ver a luz do dia foi o Museu Postal de São Petersburgo, 4 anos antes do português.

(2)Fundador da UPU – União Postal Universal, atual Agência da ONU

005 Descanso e tratamento dos cavalos

Repare-se que todos estes museus têm a mesma designação, apenas se distinguindo pela cidade da sua instalação.
A atividade postal, bem como a de telecomunicações, necessitam dos tais postos, positus, paragens. Pode até ser um posto breve para retransmissão / reforço ou reencaminhamento das mensagens, apoio aos portadores, envolvendo ou não, paragens curtas e longas.

006 Alguns cabos com amarração em Portugal, à semelhança das rotas marítimas da Expansão Lusa.

Não se pode conceber no século XIX uma atividade de transporte de correio ou de telecomunicações e passageiros a grande distância sem escalas/paragens nos postos ou estações.

007 Repetidor / regenerador nas profundezas dos oceanos por onde passa mais de 90% do tráfego de comunicações e ciência a velocidades próximas da luz.

Em termos concretos, a mala-posta de Lisboa ao Porto necessita de pequenas e grandes paragens, para satisfazer necessidades, refeições e pernoitas; entrega e receção de correio, descanso, assistência e muda de cavalos; entrada e saída de operadores e passageiros que viajam nas carruagens da Malaposta.

008 Uma das várias casas do bairro alemão para técnicos da DAT – Deutsche Atlantische Telegraphengesellschaft. Servem agora para serviços do Governo Regional

Um paralelo de funcionamento com alguma semelhança pode estabelecer-se para as telecomunicações. Um telegrama no tempo das primeiras gerações dos cabos submarinos e tecnologias afins não consegue o seu destino direta e automaticamente, quando envolve grandes distâncias, sobretudo as intercontinentais. Daí o serviço e a centralidade de Portugal europeu e ilhas para a receção de tráfego telegráfico e reenvio dos mesmo para os respetivos destinos.

009 Operador com uma central telefónica manual

Foi para suprir a esta necessidade que surgiu a Trinity House. Na prática era uma central mais que trinitária, pois servia outros países. Assistida por várias comunidades estrangeiras que rececionavam e retransmitiam telegramas de e para as Américas, África e Ásia.
A visita ao Museu das Comunicações de 19 de maio de 2017 com um Grupo de Nova Museologia da USMMA – Universidade Sénior de Massamá e Monte Abraão serviu de ambiente técnico e humano, inspirando interesse nos visitantes.

010 Operador Radioamador
    A imaginação é um importante recurso e pode ser um património. Para dar contextualização às exposições que visitámos, iniciámos o discurso com uma repetição (à semelhança dos relés/repetidores no fundo dos mares). Para isso repetimos/realçámos o termo IMAGINE:



011 O Presidente Óscar Carmona inaugura a primeira telefonia automática em Lisboa, 1930


IMAGINE a Semana do Mar, no mês de Agosto. As grandes festas da Horta e de toda a ilha na zona ribeirinha da Baía da Horta onde a maioria das coletividades do Faial vêm exibir os seus trajes, dotes e patrimónios, despertando curiosidade entre a assistência.
012 Telefone de ligação por satélite semelhante a um outro construído em Portugal, utilizado nas guerras da ex Jugoslávia, fazendo hoje parte do Museu Nacional da Bósnia e Herzegovina


IMAGINE o domingo em que sai à rua a festa de Nossa Senhora da Guia, do Monte da Guia, que desde o sítio altaneiro, desce à cidade.

IMAGINE o desfile folclórico de um mar de gente da Horta/Faial, onde se destaca a procissão de carros alegóricos, carregando réplicas e equipamentos reais, como se a Horta fosse uma estação (positus de relé/reforço, repetidor de sinais e energias); para amaragem dos Clippers, Dorniers, Lufthansas, Pan Americas; equipamentos de telecomunicações, de centrais telefónicas, radioamadores, operadores cabográficos;

IMAGINE Santa Cruz da Horta, de onde saiu parte do arsenal oferecido aos 7.500 heróis liberais;
  IMAGINE o descerramento da placa evocando esta oferenda do povo do  Faial;

IMAGINE o Ilhéu, Homem do Mundo (porque assim se sentia) Pedro Laureano de Mendonça da Silveira;

IMAGINE e sinta como ele descreve a Horta:

«[…]

Como isto foi grande, dinâmico, mercantil, aventureiro!

Homens de todas as raças no porto da Horta,

todas as línguas bandeiras […] e navios à carga, vozes, gritos,

o gemer dos guindastes […]

Era a mais alegre, a maior cidade pequena do Mundo!

Era riqueza de Londres

e de Nova York!

Era o requinte de Paris, o luxo

de Sampetersburgo!

Todos mercavam, vendiam.

Embarcavam.

Tornavam.

[Estimada e desejada Horta]

O passado que esperas

em futuro renasça [! ..]».

 

(Extrato do conjunto de poemas “Fui ao Mar Buscar Laranjas” com ligeiras adaptações aqui assinaladas em parêntesis retos, sem alterar o significado original).

 

P. S. Foi interessante a presença da Diretora do Museu Cristina Weber e; como sempre, de grande qualidade, a prestação do monitor animador Américo Mascarenhas. As fotografias são da autoria das colaboradoras em Nova Museologia, especialmente de Elisabeth Sá e Noémia Tomé.

    Palavras chave: cabografia, Malaposta, Museu das Comunicações


    Fontes:

ANCIÃES, Alfredo Ramos – Patrimónios de Comunicações de Portugal: Em Destaque a Horta – Faial – Açores. Angra do Heroísmo: Turiscon Editora, 2016 . A monografia está disponível pelos módicos 10 Açores. Contacto: Sr. Liduíno Borba em linha LIDUINOBORBA.COM artigo 3014, porte grátis.


    Acedidas em 20.05.2017 - 


--------------------------------““07. Do Mar que Separa ao Mar que Une” http://cumpriraterra.blogspot.pt/2014/03/para-um-museu-regional-e-nacional-das.html

----------------------------077 152 Portugal em Crescendo. ´Fui ao Mar Buscar Laranjas`”. http://cumpriraterra.blogspot.pt/2017/04/152-fui-ao-mar-buscar-laranjas.html

----------------------------“134.Telefone Via Satélite Português Contribui para o Nascimento duma Nova Nação e um Novo Estado” http://cumpriraterra.blogspot.pt/2017/03/134telefone-via-satelite-portugues-faz.html

-----------------------------“16. Faial das Comunicações e do Santo espírito”. http://cumpriraterra.blogspot.pt/2014/10/16-faial-das-comunicacoes-e-do-santo.html

----------------------------“72. Inspirações dos e nos Açores”.

terça-feira, 16 de maio de 2017

073 42 155. MINHAS MEMÓRIAS. ANOS OITENTA. MUSEU DOS CTT RUA DE Dª ESTEFÂNIA


Palavras-chave: história, radiocomunicações, telefone, telégrafo, museografia, museologia

 001 Edifício do ex-Museu dos CTT com 5 pisos, um jardim e um pavilhão de mala posta na Rua de D. Estefânia, 173-175  - Lisboa. .

 Exposição do Património de Telecomunicações no Piso 3

Telegrafia elétrica e telefonia

Visa-se, com este artigo, divulgar os patrimónios e as formas de apresentação dos mesmos, especialmente os de telecomunicações, nos anos 80. Deve ter-se em conta que a formação dos conservadores/museólogos, arquitetos e designers e os meios e materiais aplicados às exposições desses anos não eram os mesmos que os atuais. De lá para cá, há um intermédio de mais de 30 anos de investigações, de desenvolvimento da documentação, técnicas e materiais. Logo, a descrição que pode, eventualmente, parecer de crítica negativa, deve ser entendida com a intenção positiva de divulgar o que existia e foi feito com as condições da época.

Telegrafia elétrica Bréguet, a primeira a ser introduzida em Portugal no ano de 1855 quando o jovem rei D. Pedro V iniciava o seu reinado. Esta secção abria a exposição do 3º piso.

 002 Telégrafo francês Bréguet com que foi inaugurada a telegrafia elétrica em Portugal, em 1855.

Seguia-se a: Telegrafia em código morse nomeadamente com peças dos portugueses Cristiano Augusto Bramão e Maximiliano Augusto Herrmann. Cristiano fora inovador na telegrafia e na telefonia, ajudando a elevar a Direcção Geral dos Telegrafos portugueses à categoria dos galardoados na Exposição Universal de Paris, de 1878, tal como descrito pelos responsáveis de uma das maiores exposições de sempre. A referência a Portugal, nomeadamente no que concerne às telecomunicações carateriza-se na seguinte comunicação:

“Exposition Universelle de 1878. Distribuition des Recompenses aux Exposants et Procédes de la Télégraphie: Grands prix. Diplomes d`  honneur equivalent a une grand medaille. Direction Générale des Télégraphes Portugal” (1).

…………..

(1)FERREIRA, Godofredo. Anotações in BARROS, Guilhermino Augusto de – Memória Histórica Acerca da Telegrafia Eléctrica em Portugal. Separata do Guia Oficial dos CTT, 2ª ed. ampliada com notas, gravuras e retratos coligidos por Godofredo Ferreira, Lisboa, 1943, p XCVIII.

 


003 Telégrafo português de Cristiano Augusto Bramão e Maximiliano Augusto Herrmann, 1874.

Cristiano Augusto recebera da Direcção dos Telegrafos a quantia de 700.000 reis para o registo da patente do seu telégrafo em vários países, antes de ter sido apresentado em Paris na Exposição Universal. Em 1872 o Director dos Telegrafos portugueses Valentim do Rego referiu-se a Cristiano  nos seguintes termos: “O empregado mais apto que tenho para dirigir o ensino […] é o telegrafista de 1ª classe Cristiano Bramão […]. Em 20 de Julho de 1872 foi-me presente uma memória pelo telegrafista Bramão, sendo o novo aparelho telegráfico de sua invenção, com o qual esperava […] produzir 33% de serviço a mais com o mesmo trabalho […]. Estudando a questão […] mandei construir um aparelho conforme as indicações do inventor […]. Este aparelho começou a ensaiar-se em Dezembro de 1872 entre Lisboa e Carcavelos e em consequência dos bons resultados obtidos achavam-se em Agosto de 1874, 10 destes aparelhos a funcionar regularmente” (2).

………….

(2)Id., pp. LXXV-LXXXIV

Também em relação ao patronímico Herrmann, apenas ligeiramente indicado em legendas: telefónicas e telegráficas, o visitante não se apercebia do valor deste autor para as telecomunicações. Alguns visitantes pensavam que se tratava de um autor estrangeiro, no tempo em que o quase homónimo Herman José ainda não estava consagrado na galeria dos artistas. O patronímico Herrmann (ainda com dois rr e dois nn) parecia indicar-nos que se tratava de alguém distante. Não era o caso. Maximiliano Augusto Herrmann, era natural de Lisboa, industrial, inventor e inovador. Morou na Calçada do Lavra, nº 6 – Lisboa, onde possuiu uma das maiores oficinas portuguesas de construção e assistência a diversos equipamentos. Herrmannn também foi notável nos caminhos-de-ferro; deu início à introdução da iluminação elétrica e manufaturou diverso equipamento mecânico e eletromecânico. A título de exemplo: Foi o próprio Maximiliano Herrmann quem construiu o telégrafo e telefone inovadores de Cristiano Augusto Bramão;

Inventou e construiu o seu próprio modelo (Herrmann) batizado de “Telefone Privilegiado”.

 004 Telefone português “Privilegiado” de Maximiliano Augusto Herrmann.

“[…]quando, em 1882, se inauguraram as redes telefónicas públicas de Lisboa e Porto [já] estavam instalados mais de 100 telefones do modelo Herrmann.” (CTT TLP; ob. cit p. 11).

 

Telegrafia Hughes, também conhecida como telegrafia modelo piano por apresentar um teclado de caracteres alfa numéricos servindo de transmissor. Este telégrafo fora objeto de inovação portuguesa. Contudo na exposição não se notava esse importante contributo português.

 


005 Parte superior do telégrafo Hughes inovado em Portugal nos anos 20, Séc. XX, ao que tudo indica, pelos técnicos Cassiano de Oliveira, Francisco Mendonça e António dos Santos.

 


006 Rosto do livro do técnico casapiano António dos Santos.

Telegrafia Baudot (3) de transmissão de uma até quatro mensagens pela mesma linha e ao mesmo tempo. Também conhecido por sistema multiplex – revelava a inovação de Jean Maurice Émile Baudot no último quartel do século XIX. Este engenheiro dos correios e telégrafos franceses contou, já no século XX, com uma aplicação portuguesa de suma importância. Tratou-se de um regulador de velocidade e estabilização que permitiu viabilizar e divulgar a telegrafia multiplex em vários países. As frequentes alterações da força motriz da corrente elétrica criavam quebras e picos prejudiciais para a transmissão. Impunha-se uma inovação. Inicialmente projetada por António dos Santos, ex-aluno da Casa Pia de Lisboa na primeira década do século XX. Esta inovação foi posteriormente desenvolvida por Francisco Mendonça e Cassiano de Oliveira, empregados dos Correios Telégrafos e Telefones de Portugal.

………………..

(3) BAUDOT, Jean-Maurice-Émile (1845 - 1903), francês, Inventor da telegrafia simultânea (até 4 mensagens).

 




007 Telégrafo duplo, francês, de Jean-Maurice-Émile Baudot inovado em Portugal, ao que tudo inda, pelos técnicos Cassiano de Oliveira, Francisco Mendonça e António dos Santos

Novas telegrafias com teleimpressores, vulgo telex: A segunda metade do século XX assiste à introdução do telex em estações públicas dos CTT nas empresas e agências subscritoras do serviço.

A nova telegrafia permite a transmissão e a receção de telegramas sem necessidade de aprendizagem de códigos. Os teleimpressores, também conhecidos por telex eram aparelhos modernos, parecidos com máquinas de escrever elétricas.

Renovaram as agências de notícias, viagens, serviços meteorológicos e empresas. Contudo na Expo do Museu dos CTT na Rua de D.ª Estefânia faltava informação complementar: sobre as redes, tráfego e contexto que chamasse a atenção para este novo tipo de telegrafia iniciada em Portugal nos anos 40 e só “destronada” pelo corfax/telecópia na década de 90.



008 Telex / Teleimpressor Siemens T1000, anos 80, séc. XX

Aparelhos terminais telefónicos: Na sala de telefones expunha-se um acervo significativo, constituído por modelos precursores (4), alguns da autoria de inventores e inovadores portugueses. Telefones e centrais de comutação manuais através da intervenção de telefonistas. A exposição de telefones e comutadores apresentados sem imagens de telefonistas ou manequins que indicassem o ambiente de trabalho nas Estações e Postos tornava-se pobre de informação e emoção no que toca ao fator humano: ou sejam, os técnicos e os utilizadores deste importante recurso de informação e comunicação. 

………..

(4)Precursores, isto é, iniciais, que estão entre os primeiros modelos concebidos e ainda se consideram na fase experimental.
009 Telegrama da rede telex nacional. Portugal, anos 80. Obs.: A imagem da fita perfurada que se anexa, para gravação e reprodução de mensagem, não corresponde ao telegrama em relação. É um exemplo de uma outra mensagem, apenas experimental e didática.

Sala de Telefones automáticos: Entre todas as salas do 3º piso esta era a que mais despertava a atenção. O conteúdo era ainda recente. Expunham-se telefones com marcadores rotativos, muito comuns na época (anos oitenta). A central de comutação com busca e seleção dos números através do processo “sobe e roda”, segundo a gíria dos técnicos CTT e TLP era uma peça chave.
010 Modelo de telefone de coluna, muito utilizado nas redes de Lisboa e Porto entre os anos 1930 / 1950. Imagem in painel de azulejos no Museu de Cerâmica de Sacavém.

Despertava-se a atenção dos visitantes ao poderem ligar de um telefone para outro, ao verem e ouvirem in loco o processo automático de seleção de linhas através de uma central de comutação do tipo Strowger, conhecida na gíria técnica por "central sobe e roda", dado que os seletores eletromecânicos de números subiam e rodavam à procura dos dígitos marcados pelos telefones automáticos de disco rotativo. Tratava-se duma sala de conhecimento prático, de contacto vivo e de animação. Poderia, contudo, ali ser apresentada alguma informação sobre tráfego telefónico; imagens de manutenção nas Estações e diagramas relativos a redes de comunicações. Porém, Este espaço era apreciado e ali se acumulavam pessoas, sobretudo quando havia visitas de grupo.

Equipamentos de comunicação radioelétrica

A sala era pequena para integrar peças e informação que pudessem dar uma ideia do que eram e como funcionavam os serviços, mormente em relação com as ilhas atlânticas - Madeira e Açores. Apresentavam-se diversos equipamentos, o que era natural porque as comunicações radioelétricas insulares foram muito utilizadas.

Na década de 70 (finais) pensou-se na descentralização do Museu dos CTT, tendo sido enviados espécimes para integrar um polo de museu em Ponta Delgada, o que parece ainda não se ter concretizado até ao presente.
Ainda, quanto à representação telefónica e telegráfica por via radioelétrica, seria de bom-tom apresentar algo sobre os serviços de gestão e fiscalização do espectro de rádio. Sendo a Direção dos Serviços Radioelétricos como um virtual agente sinaleiro do espaço (5), convinha que o visitante saísse da exposição com uma ideia sobre estas transmissões, estudo das condições de propagação, licenciamento, regulação e redes. O visitante gostaria de saber qual o papel das organizações e utilizadores das frequências radio-elétricas sendo, claro está, o recurso radioelétrico, um bem escasso a gerir.

…………….

(5)Atividade hoje a cargo da ANACOM – Autoridade Nacional de Comunicações.


011 Emissor-Recetor radioelétrico da banda de frequências de radioamador PY2NL LORENA - S.P.

Os anos 80 coincidiram com as fortes cheias do Ribatejo e com o terramoto dos Açores, onde as comunicações via rádio, incluindo: redes privativas, radioamadores, utilizadores da "banda [radioelétrica] do cidadão" e Direção dos Serviços Radioelétricos tiveram um papel relevante, prestando um verdadeiro serviço público e de cidadania. A secção radioelétrica do Museu não abordava esse papel social, humanitário e de gestão destas comunicações: públicas, privativas e particulares.

Havia nesta sala escassez de informação sobre o serviço público e organização das frequências no espaço português: entre Portugal continental, o espaço marítimo, a Madeira e os Açores.

Outros comentários à exposição: Não obstante a informação que se poderia obter na sala de telefones, provocava-se alguma sensação de “enfartamento”, dada a quantidade de objetos mas pobre em cenário e elementos interpretativos. Os vários tipos de telefones não estavam apresentados por um fio condutor facilmente percetível ao visitante comum. Contudo, cineastas, artistas de teatro, de televisão, escritores e todos os que procurassem interesse funcional e estético poderiam ter ali matéria de inspiração. Releve-se que a decoração interior do Museu atenuava a componente técnica, embora alguns museólogos tivessem a impressão contrária, isto é, para estes especialistas a decoração do interior do edifício dispersava as atenções em relação à exposição.

Um dos primeiros exemplos de legendas: “Telefone Bramão, 1879 / Construtor Herrmann, Lisboa / Modelo com chamada por manipulador Morse” não era muito atrativo (v. infra outras legendas). Os nomes de  Bramão e Herrmann em algumas legendas, como a acima indicada, não despertavam muita motivação e informação. 
Quanto a Cristiano Augusto Bramão conviria que o visitante ficasse com uma ideia do contributo deste técnico e autor para as comunicações. Num relatório de 1865, o Conselheiro José Vitorino Damásio, Director-Geral dos Telégrafos escreveu o seguinte em relação ao telégrafo de Cristiano Bramão, construído com a colaboração de Maximiliano Augusto Herrmann: “Um aparelho deste sistema [telegráfico] tem funcionado na Estação Central de Paris, e ali mereceu a aprovação das pessoas entendidas […]” (6).

…………

(6)FERREIRA, ob. cit. pp. LXXV-LXXXIV

Porém, esta citação, ou outras referências equivalentes não faziam parte da exposição; apenas contávamos com legendas consideradas demasiado técnicas, como as abaixo indicadas:

-“Telefone de parede de bateria central / tipo ATM 332”;
-“Telefone de parede  / com microtelefone fixo / sistema de bateria central / usado pela APT”;
-"Telefone de parede / com microtelefone e chamada por corrente contínua”;

-“Telefone de mesa de bateria central / cor de marfim / tipo: 7A”;

-“Telefone de mesa, / com microtelefone e chamada por magneto”.


Nota de contexto museológico: A ideia que o cidadão comum fazia dos museus como instituições do passado (não só referente ao Museu dos CTT) resultara das crises por que passaram, depois da II Guerra Mundial, em parte devido à concorrência de outros meios de informação (rádio e televisão);

-Falta de condições económicas para renovar cenários de exposições;
-Saída de públicos ou potenciais públicos para a emigração e para o serviço militar obrigatório no continente e ultramar.

Chegado o 25 de Abril de 1974 as atenções voltaram-se para outras sensibilidades e olhares, tais como o usufruto de liberdades, constituição de associações e reorganização económica.

Os museus continuaram à espera de novas formas de apresentação dos patrimónios com novas museografias. Nos anos 80 a APOM – Associação Portuguesa de Museologia vinha-se esforçando com a presença e apoio a eventos e formação; mas foi o MINOM – Movimento Internacional para uma Nova Museologia quem primeiro lançou debates inovadores ("a pedrada no charco", no dizer de Mário Moutinho) sobre os processos museológicos e museográficos com a atenção mais voltada para as pessoas, as localidades, os novos patrimónios, naturais e imateriais, do que para as peças tradicionais de arte, arqueologia e etnografia.

Com a viragem do século as duas Associações começaram a convergir em termos de abordagem conceptual.

Contudo o Museu dos CTT, e temporariamente dos TLP, promoveu nesses anos algumas formas mediadoras dignas de destaque na divulgação do património e programas de comunicações, sobretudo no seio das comunidades escolares.

 

Gentileza das imagens: 001 Luís Marques Silva; 002 a 009 Fundação Portuguesa das Comunicações; 010 Museu de Cerâmica de Sacavém; 011 Fernando Luíz de Sousa.

Fontes:
-ANCIÃES, Alfredo Ramos – Ensaio de Investigação e Organização da Telegrafia do Museu dos CTT. Lisboa: Edição pessoal realizada no âmbito de Seminário de Biblioteconomia e Arquivologia. Lisboa: UAL “Luís de Camões”, 1987/1988, 85 pp.

---------------- O Museu dos CTT. Lisboa: Arquivo UNL, 1988/1989. Disponível também em Arquivo do Grupo dos Amigos do Museu das Comunicações
-APOM – Panorama Museológico Português: Carências e Potencialidades. Actas do Colóquio APOM / 76. Porto, 1 a 5 de dez, 1976

-CTT TLP; Museu - “Exposição comemorativa do 1º centenário do telefone Bramão 1879-1979”. Lisboa: CTT TLP, 1979)
-MOUTINHO, Mário - "Museus e Sociedade". In Textos de Museologia. Jornadas sobre a Função Social do Museu. Cadernos do MINOM Nº 1, 1991
-NASCIMENTO, Rosana - A Historicidade do Objecto Museológico, Cadernos de Sociomuseologia Centro de Estudos de Sociomuseologia, 3-1994, Lisboa: ULHT
-SANTOS, Rogério – Do telefone à central digital: contributos para a história das telecomunicações em Portugal. Lisboa: TLP, 1989
-TLP – 1882-1992, 110 anos a telecomunicar. Lisboa: TLP, 1992
-VIANA, Mário Gonçalves – Arte de organizar colecções exposições e museus. Porto: Ed. Domingos Barreira, 1972

Em linha, acedidas em 5.5.2015 e 17.05.2017:

-ANCIÃES, Alfredo Ramos – Minhas memórias  - Exposição 2º Piso Museu dos CTT in http://cumpriraterra.blogspot.pt/2015/03/37-minhas-memorias-exposicao-2-piso.html

------------------Minhas memórias do Museu dos CTT Rés-do-Chão da Rua de D. Estefânia entre Abril de 1983 e Maio de 1985 in http://cumpriraterra.blogspot.pt/2015/02/34-minhas-memorias.html

------------------Museologia entre o Estado Novo e a Democracia: O caso do ex-Museu dos CTT e TLP in http://cumpriraterra.blogspot.pt/2014/10/21-museologia-entre-o-estado-novo-e.html

------------------Notas da TSF / Rádio Pública no antes de 25 de Abril 1974 in http://cumpriraterra.blogspot.pt/2014/05/09-notas-da-tsf-radio-publica-no-antes.html
-----------------Proto-Museu Postal e Biblioteca in http://cumpriraterra.blogspot.pt/2014/12/25-pro-museu-postal-e-biblioteca.html

------------------Um Bispo Museólogo Arquivista Bibliotecário Investigador Divulgador in http://cumpriraterra.blogspot.pt/2015/01/29-um-bispo-museologo-arquivista.html

-BAUDOT, Jean-Émile-Maurice in  https://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%89mile_Baudot